quinta-feira, 16 de junho de 2011
“Toda venda tem cinco obstáculos básicos: falta de necessidade, falta de dinheiro, falta de pressa, falta de desejo e falta de confiança”Zig Ziglar.
Hoje ao abri minha agenda li esta frase, no começo achei meio sem sentido. Porque alguém escreveria algo negativo, algo do que o cliente não encontra, do que escrever o que ele procura?
Depois fui analisando a frase e ela faz muito sentido, com a falta de dinheiro só compramos o que é necessário, assim perdemos a pressa de comprar apesar do desejo de ter. Mas uma delas me chamou muito a atenção: falta de confiança.
Tudo muda tão rápido, mas algumas coisas sempre serão especiais. A CONFIANÇA é uma delas.
Produtos podem estar em alta num dia e acabar no próximo, novas tecnologias aparece rapidamente. Neste clima constante de mudanças, empresas de sucesso são as que têm habilidade em construir um relacionamento de confiança com clientes, parceiros, fornecedores e colaboradores.
A confiança não é criada por decreto ou slogan, mas por meio de ações concretas tomadas todos os dias em todos os níveis da empresa.
Para uma empresa construir relacionamentos de confiança deve começar desenvolvendo princípios fundamentais para gerar suas ações.
• Ser apaixonado pelos clientes, e construir relacionamentos duradouros.
• Conhecer o cliente profundamente para antecipar suas necessidades e fazer o que o cliente valoriza.
• Focar em resultados não em vendas individuais. Empresas constroem confiança ajudando seus clientes a alcançarem seus objetivos de negócios.
• Assegurar-se que todos os colaboradores, independente de seus papéis, sintam parte do sucesso do cliente.
A confiança constrói profundas conexões nos relacionamentos com clientes, parceiros, fornecedores e colaboradores. E estas são essenciais para qualquer empresa conseguir a liderança do negócio e o sucesso a longo prazo.

Conquiste a confiança do seu cliente!

Natasha Bacchi – Especialista em Marketing, CRM (relacionamento com o cliente) e Vendas.
“Não tenho tempo para a academia, nem o lazer, trabalho mais de 12 horas por dia, e o final de semana então...trabalho”
Hoje 70% das pessoas vivem um alto nível de estresse, 50% são obesos, sujeitos a doenças cardíacas e diabetes, e 8 % sofrem de depressão. Estes são dados da pesquisa dos últimos 20 anos do médico Gilberto Ururahy, diretor do laboratório Med-Rio.
De um lado, as empresas impõem um ritmo pesado aos funcionários. De outro, o profissional assume cada vez mais responsabilidades em nome do crescimento profissional, de eficiência e busca de atualização contínua para acompanhar o mercado tão competitivo. Os efeitos desta dinâmica não tem sido bom nem para as empresas nem para os profissionais.
Trabalhar faz parte da vida. Ser viciado no trabalho, não.
Trabalhar bastante é... Ser Workaholic é...
Enxergar o trabalho como necessidade Ter o trabalho como fuga de situações ou de sentimentos
Estabelecer limites Preencher a vida pessoal com trabalho
Sofrer por não estar com a família Marcar compromissos, chateando amigos e familiares
Detestar tarefas impossíveis de serem cumpridas. Ficar alvoroçado para receber novas missões impossíveis
Se desligar do trabalho quando não estiver no escritório Ficar pensando no trabalho o tempo todo
Fonte: O Livro Chained to de Desk – De Bryan Robinson

Faça diferente:
1. Estabeleça prioridades conforme o momento da carreira.
2. Selecione as fontes de informação, acompanhes sites, blogs que realmente que são indispensáveis.
3. Estabeleça um tempo máximo para obter estas informações.
4. Seja rigoroso nas decisões de como usar seu tempo, organize uma agenda e cuide dos “rouba tempos”.
5. Aprenda a não se comparar a todo instante, pois é um fator de angústia.
6. Divirta-se, desliga-se do trabalho senão torna-se um chato.

Conquiste o equilíbrio!

Natasha Bacchi

Perfil

Minha foto
Natasha Bacchi
Especialista em Marketing Pessoal, CRM (Gestão do relacionamento com o cliente), excelência em atendimento e vendas.
Visualizar meu perfil completo

Compartilhe

Seguidores